sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Devaneio...

O que olho, não é o que vejo
O que vejo, não é o que sinto
O que sinto, não é o ensejo
O ensejo, não é sucinto
O que não quero, é possível
O que não é possível, é realidade
O que não é realidade, é verosímil
O que não é verosímil, é verdade
Tenho um pensamento, é falso?
Tenho uma vontade, é ansiedade?
Tenho uma vida, é percalço?
Tenho uma alegria, é ingenuidade?
Quero um beijo, que atrevimento!
Quero boa vida, que ambiguidade!
Quero um País, que descomedimento!
Quero vê-los curtir, que promiscuidade!

2 comentários:

João Motaz Rita disse...

Olá
Já vimos o teu comentário ao nosso blog! e espero que não te importes que utilizemos os teus pensamentos!!! gostamos do teu blog e principalmete daquele pensamento1 já não é a 1º vez k o utilizamos! já o tinha utilizado no amor escarnio maldizer (joaobragancan.wordpress.com)

abraço grande companheiro da filosofia e espero que compartilhes o teu blog com o nosso!!!

Anónimo disse...

João Motaz Rita - Mi casa es vuestra casa :)
Abraços
R/chão Esquerdo